featured pic 9 8

Artesanato: Hobbie de infância transformado em negócio

Hoje em dia, a maioria das meninas nas faixas dos 30- 40 anos, têm nas memórias da infâncias a costura de bonecas de pano. Retalhos de panos de diferentes padrões, agulhas, linhas e a imaginação infantil era a receita perfeita para bonecas magras, gordas, pequenas ou grandes. E de seguida, abriam espaço para criação de personagens, estórias e bricandeiras que duravam longos dias.

A minha infância também foi assim, costurei imensas bonecas de panos e não imaginava que aquela brincadeira poderia evoluir para a prática de artesanato. A partir dos 12 anos já dava os primeiros passos a fazer bordados ponto cruz, graças ao ensinamento de uma querida vizinha. Anos mais tarde, consegui partilhar as técnicas com os meus irmãos e fazia alguns artigos por encomenda.

Um dos momentos mais marcantes dos tempos que me dedicava ao ponto cruz, foi quando fiz capas para almofadas para o programa Belas Manhãs da TV Miramar. Naquela altura fazia artigos com frequência e tinha no portifolio quadros, almofadas, toalhas e babetes. No entanto, novamente veio aquela fase de colocar de lado as actividades que gostamos.

O aprendizado que retiro dessa relação com o artesanato e que quero partilha consigo é:

Quando queremos empreender, ficamos cegas a procurar da ideia de negócio ideal e acabamos nos esquecendo de algo que está mesmo no nosso corpo: as nossas mãos. Dedique algum tempo para cuidar e olhar para as tuas mãos e se recordar das coisas que fazias com elas na infância. Seja cozinhar, limpar a casa, amarrar a corda, menos bater nos amiguinhos. Daí aprende a transformar esse hobbie em negócio.

Faz algum tempo que venho preparando o meu retorno aos bordados ponto cruz, fui avaliando os desafios (falta de material na cidade, a fraca de popularidade do ponto cruz e tempo) e uma conversa com uma jovem empreendedora que foi oradora no Lioness Breakfast levou-me a essa reflexão.

Empreendedoras que actuam em Moçambique, não devem se limitar a uma área de actuação, pois o mercado é muito concorrido e instalável. Se conseguirmos fazer mais coisas e preservar a qualidade de entrega ao cliente, avançamos para buscar novos produtos e serviços.

Por isso, procurei o material que tem disponível para bordados, escolhi o artigo que iria bordar e testei o tempo de produção de cada modelo. Está semana comecei a promover esta primeira colecção de quadros decorativos em Ponto Cruz.

Então, chega de limitar o seu potencial, busque fazer coisas que gostas e faça dinheiro com isso. Vamos empreender?

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *