Semana Global de Empreendedorismo: Eventos a não perder

Olá empreendedoras,

a semana começa com energias positivas, não é mais uma semana de luta para realizar os nossos sonhos, é a Semana Global de Empreendedorismo. Como celebrar? Partilhando a sua experiência com outras mulheres (e não só), participando de eventos dedicados ao empreendedorismo.

Eu tenho duas sugestões de eventos para as empreendedoras da nossa rede.

  1. VI Conferência Nacional de Empreendedorismo

    Imagem: Facebook ANJE Moçambique

  2. WED in Park

Imagem: Facebook Idealab

Juntas somos mais fortes. Vamos?

Meu Desafio 1.6 : Eu suporto … Black Khakhela

Nós escutamos com frequência que devemos procurar ser a melhor versão de nós mesmas. Somos humanas, com qualidades e defeitos , no fundo sabemos que é díficil mudar a nosso modo de vida da noite para o dia. Sempre vamos precisar de um empurrão para melhorar a nossa rotina.

Em 2017, eu estava mesmo empenhada em desenvolver uma plataforma dedicada ao desenvolvimento pessoal. Em resumo, o http://meudesafio.elostartup.co.mz/ seria um espaço para os participantes começarem diferentes desafios e ajudar instituições sociais. Infelizmente, a plataforma está em modo de espera, mas eu prometo retomar para o ano.

A boa notícia é que o conceito do projecto está de volta, pois o desafio é importante para quem deseja ter uma atitude positiva a curto ou longo prazo. Vem aí a época festiva e como empreendedoras temos que aproveitar o momento para vender e promover o negócio de outras mulheres.

Hoje é o lançamento do Meu Desafio 1.6, o primeiro desafio do Blog, que consiste em apoiar um negócio feminino por semana nos próximos seis meses.

Cada participante escolhe o nicho e orçamento para o desafio. O meu desafio será dedicado a mulheres com negócios recentes ou que são empreendedoras solo. E o meu orçamento varia de 300-700 meticais por semana.

Na primeira semana do Meu Desafio 1.6 eu fui cuidar do cabelo no Black Khakhela Spot , queria muito fazer um penteado africano e sempre que olho no espelho é pura nostalgia.

Foto: Facebook Black Khakhela

Para quem não conhece, Black Khakhela é um projecto social fundada pela Carmen Miral que resgata o orgulho africano através da venda de produtos orgánicos. Saiba mais no Facebook https://www.facebook.com/pentepreto/ .

Juntas somos mais fortes. Vamos celebrar o empreendedorismo feminino em Moçambique.

Bem-vindo Outubro, 30 textos publicados (Alguém merece um cupcake)

Estamos na primeira semana de Outubro e celebramos a entrada do quarto mês do Blog Empreendedora Solo. Alguém merece um Cupcake.

 

Para alguns, apenas outro blog para mulheres. Para mim, é o Blog de Empreendedorismo feminino em Moçambique, que vai se transformar na plataforma de referência internacional para mulheres empreendedoras. Sim, este é apenas o começo.

Depois de comemorar este grande dia com um Cupcake, estava a pensar nos primeiros três meses do projecto. Uau, senti um enorme orgulho de mim mesma! Foram 30 textos escritos, participei em eventos e conheci novas empreendedoras que aumentaram minha confiança nesta jornada. Se você está no início, deve ter percebido com o empreendedorismo é solitário, você olha para o lado para desabafar e só encontra pessoas que dizem “Para de reclamar, arruma um emprego?”. Mas felizmente, conseguimos encontrar uma força maior que nos move para continuar a luta.

Então, que balanço você faz destes três meses? Vai continuar por aqui? Eu tentei passar para o lugar de leitura por alguns instantes e acho que vale a pena continuar a acompanhar o Blog. Mas uma mexida aqui, outra aí, não faz mal a ninguém. O objectivo é tornar o nosso espaço virtual mais inspirador e dinâmico.

Por isso para o mês de Outubro temos as seguintes novidades:

  1. Nós damos “Adeus” para a categoria review de eventos. Ao longo dos três meses tiramos lições importantes de diferentes eventos, que com certeza irão moldar as futuras empreendedoras. Não se preocupe que a fonte de inspiração não está esgotada, vem aí a categoria “Empreendedora Amiga” um conjunto de entrevistas com mulheres empreendedoras, num estilo bem ousado.
  2. Livros são importantes para o desenvolvimento pessoal e profissional. A maioria dos livros partilhados na Estante Virtual do Blog eram obras de auto ajuda, porque como digo sempre “o autoconhecimento é a chave para o sucesso”. Mas confesso, fiquei aborrecida e frustrada nesta tentativa de escolher bons livros para ler e partilhar. Então a alternativa que encontrei para trocar a Estante Virtual foi a nova categoria que estreia em Outubro onde vou partilhar os conteúdos que mais gostei na internet.

Eu estou feliz e grata por ter escrito trinta textos e principalmente por feedback que tenho recebido dos leitores. Vamos empreender?

Evento: Lioness In Breakfast Maputo

O que acontece quando as mulheres se reúnem pela manhã? Mulheres que enchem uma sala de optimismo e energia, prontas para partilhar o caminho pouco desbravado do empreendedorismo feminino em Moçambique. No Lioness In Breakfast, uma iniciativa global (Lionesses of Africa) de network para mulheres empreendedoras, estavam presentes mais de 50 mulheres, de diferentes gerações e áreas de negócio para atentamente escutar histórias de sucesso. Sim, eram histórias de sucesso, podemos tirar a capa da humildade por alguns instantes para falar: Mulheres nos negócios, são mulheres de sucesso.

O Lioness In Breakfast Maputo foi ontem, teve lugar na Incubadora do Standard Bank Moçambique e contou com três convidadas de peso: Melanie Ricardo (Farnel), Ancha Salvador (Anchaa´s Gluten Free), Elena Gafurini Vali (Dev Moçambique). A fundadora da Lionesses of Africa, Melanie Hawken contagiou o ambiente com o seu entusiamo por estar rodeada de mulheres que fazem a diferença no ecossistema empreendedor africano, em particular Moçambique.

23 lições que tirei do Lioness In Breakfast Maputo:

  1. O país vai mudar positivamente nos próximos anos, principalmente nos sectores de óleo e gás. As mulheres precisam estar preparadas para estas oportunidades;
  2. Mulheres reunidas significa investimento no crescimento do país;
  3. Nós nunca paramos de aprender;
  4. Pais que trabalharam a vida toda para outros, no início tem dificuldade de apoiar o sonho de empreender das filhas. (Quantas já passaram ou passam por isso?!!);
  5. As novas oportunidades melhora a visão do negócios;
  6. A queda do rendimento no negócio, leva-nos a questionar se não é altura de mudar o público alvo;
  7. Trabalhar com empresas abre mais portas para o negócio;
  8. Deve-se apostar numa localização estratégica para atender as necessidades do cliente;
  9. Os desafios nos negócios permite-nos desenvolver outras habilidades como paciência e capacidade de negociação;
  10. O apoio da família é importante para o fortalecimento do negócio;
  11. Para tudo que o cliente quer, é possível encontrar uma solução;
  12. O negócio de nincho como da Anchaas que produz alimentos para pessoas com intolerância a glutén é um mercado de crescimento;
  13. É um grande desafio ser mulher, empreendedora e mãe, mas temos que ter forças para ultrapassar;
  14. O nosso próprio problema pode ser o problemas dos outros;
  15. É preciso capacitação para melhorar o talento;
  16. O nosso futuro depende de nós mesmas. Nunca devemos desistir e devemos pedir ajuda de pessoas que já tem experiência na área;
  17. O respeito, fazer o que te faz mais feliz e compromisso são factores chaves tanto no relacionamento pessoal como profissional;
  18. É importante entrar no mercado com o pé direito, procurando um advogado, caso não tenha conhecimentos sobre as questões legais;
  19. Se o negócio não é inovador, não é competitivo. Se não é competitivo, não vai crescer;
  20. Sucesso é ter um negócio que funciona, que cresce e ser uma boa mãe;
  21. Para Moçambique crescer, precisa melhorar a qualidade dos produtos e serviços;
  22. O networking é importante, mas é preciso aprender a selecionar os eventos, avaliar os riscos e benefícios para evitar desperdiçar o tempo. (Acho que essa é para mim, LoL);
  23. No negócio temos que ter flexibilidade para tomar decisões, escolher a equipa certa e aprender a vender o nosso produto ou serviço.

Esta foi a minha primeira participação no Lioness In Breakfast e foi uma manhã inspiradora, os desafios partilhados pelas oradoras são comuns para mulheres, fazem-nos acreditar que todas somos capazes de superar as barreiras familiares, profissionais e sociais do empreendedorismo feminino em Moçambique.

E para finalizar, partilho uma questão que a Elena Gafurini Vali lançou para as mulheres:

O que farias se não tivesses medo de falhar?

Não sabe que negócio abrir, siga o dinheiro

Após a distribuição do meu Ebook “ A primeira Startup- sem medo de empreender”, estava ansiosa para saber a opinião dos leitores. Para além das perguntas básicas sobre o Ebook, também pedia no formulário sugestões de temas para os próximos textos. E o segundo tema mais solicitado era: Qual é o negócio o melhor negócio para começar em Moçambique?

E acredita que essa pergunta vem a tona em muitas rodas de conversa sobre negócios. É verdade que a empreendedora quer resolver um problema e criar valor para o cliente. Mas sempre o resultado do negócio é gerar rendimento e quanto maior for o lucro no negócio, melhor.

Tenho oportunidade de avaliar e desenhar produtos e serviços inovadores para a área de Educação e Tecnologia, e algumas vezes a minha intuição diz que encontrei a Tal ideia (que vai resolver grandes problemas e salvar o país da crise económica). Mas como saber que um negócio é mais lucrativo do que o outro?

Eu fiquei impressionada quando lia na Revista Exame Moçambique de Agosto que o mercado de roupa usada movimenta milhões de dólares. Eu conheço muitas famílias que tem o seu sustento no comércio de roupa usada, mas estava longe de pensar que esse sector era gigante. Por isso, acompanhar programas de TV, jornais e revistas especializadas em negócios é uma excelente estratégia para encontrar os negócios mais lucrativos em Moçambique.

Durante os seis anos que trabalhei no sector de transportes de documentos e carga, a minha tarefa preferida era fazer o rastreamento das encomendas online. Assim aprendi que informação da origem, da trajectória e do destino das encomendas permite-nos o circuito do dinheiro em Moçambique. Por isso, concordei com um tweet de um empreendedor americano que dizia:

Não olhe para o que as pessoas dizem, mas sim o que elas compram.

O nosso maior desafio como empreendedoras é desvendar as motivações por detrás das compras e temos que colocar de lado a tentativa de provar que temos um bom produto ou serviço. Dedique mais tempo a entender o percurso do dinheiro nos sectores mais lucrativos e daí pode surgir o próximo negócio milionário. Vamos empreender?