Evento: Lioness In Breakfast Maputo

O que acontece quando as mulheres se reúnem pela manhã? Mulheres que enchem uma sala de optimismo e energia, prontas para partilhar o caminho pouco desbravado do empreendedorismo feminino em Moçambique. No Lioness In Breakfast, uma iniciativa global (Lionesses of Africa) de network para mulheres empreendedoras, estavam presentes mais de 50 mulheres, de diferentes gerações e áreas de negócio para atentamente escutar histórias de sucesso. Sim, eram histórias de sucesso, podemos tirar a capa da humildade por alguns instantes para falar: Mulheres nos negócios, são mulheres de sucesso.

O Lioness In Breakfast Maputo foi ontem, teve lugar na Incubadora do Standard Bank Moçambique e contou com três convidadas de peso: Melanie Ricardo (Farnel), Ancha Salvador (Anchaa´s Gluten Free), Elena Gafurini Vali (Dev Moçambique). A fundadora da Lionesses of Africa, Melanie Hawken contagiou o ambiente com o seu entusiamo por estar rodeada de mulheres que fazem a diferença no ecossistema empreendedor africano, em particular Moçambique.

23 lições que tirei do Lioness In Breakfast Maputo:

  1. O país vai mudar positivamente nos próximos anos, principalmente nos sectores de óleo e gás. As mulheres precisam estar preparadas para estas oportunidades;
  2. Mulheres reunidas significa investimento no crescimento do país;
  3. Nós nunca paramos de aprender;
  4. Pais que trabalharam a vida toda para outros, no início tem dificuldade de apoiar o sonho de empreender das filhas. (Quantas já passaram ou passam por isso?!!);
  5. As novas oportunidades melhora a visão do negócios;
  6. A queda do rendimento no negócio, leva-nos a questionar se não é altura de mudar o público alvo;
  7. Trabalhar com empresas abre mais portas para o negócio;
  8. Deve-se apostar numa localização estratégica para atender as necessidades do cliente;
  9. Os desafios nos negócios permite-nos desenvolver outras habilidades como paciência e capacidade de negociação;
  10. O apoio da família é importante para o fortalecimento do negócio;
  11. Para tudo que o cliente quer, é possível encontrar uma solução;
  12. O negócio de nincho como da Anchaas que produz alimentos para pessoas com intolerância a glutén é um mercado de crescimento;
  13. É um grande desafio ser mulher, empreendedora e mãe, mas temos que ter forças para ultrapassar;
  14. O nosso próprio problema pode ser o problemas dos outros;
  15. É preciso capacitação para melhorar o talento;
  16. O nosso futuro depende de nós mesmas. Nunca devemos desistir e devemos pedir ajuda de pessoas que já tem experiência na área;
  17. O respeito, fazer o que te faz mais feliz e compromisso são factores chaves tanto no relacionamento pessoal como profissional;
  18. É importante entrar no mercado com o pé direito, procurando um advogado, caso não tenha conhecimentos sobre as questões legais;
  19. Se o negócio não é inovador, não é competitivo. Se não é competitivo, não vai crescer;
  20. Sucesso é ter um negócio que funciona, que cresce e ser uma boa mãe;
  21. Para Moçambique crescer, precisa melhorar a qualidade dos produtos e serviços;
  22. O networking é importante, mas é preciso aprender a selecionar os eventos, avaliar os riscos e benefícios para evitar desperdiçar o tempo. (Acho que essa é para mim, LoL);
  23. No negócio temos que ter flexibilidade para tomar decisões, escolher a equipa certa e aprender a vender o nosso produto ou serviço.

Esta foi a minha primeira participação no Lioness In Breakfast e foi uma manhã inspiradora, os desafios partilhados pelas oradoras são comuns para mulheres, fazem-nos acreditar que todas somos capazes de superar as barreiras familiares, profissionais e sociais do empreendedorismo feminino em Moçambique.

E para finalizar, partilho uma questão que a Elena Gafurini Vali lançou para as mulheres:

O que farias se não tivesses medo de falhar?

Evento: V Edição Startup Grind Maputo com Sázia Sousa

O Startup Grind é uma das iniciativas de inspiração para empreendedores mais activas em Moçambique. O evento tem um formato de entrevista e networking para empreendedores e aspirantes. Nesta V Edição a convidada foi Sázia Souza, fundadora e CEO da Technoplus Lda, uma empresa que desenvolve soluções tecnológicas desde 2010. Nós vibramos sempre que pudemos acompanhar a trajetória de mulheres empreendedoras, é contagiante, pois empreender é um caminho que todas temos que estar dispostas a seguir.

20 Lições que tive na V Edição do Startup Grind:

  1. A família pode ser uma inspiração para empreender.
  2. O empreendeedor é aquele que cria soluções. Onde quer que ele esteja, identifica os problemas e procura resolver.
  3. Alguns têm medo de empreender porque pensam que para empreender é preciso uma formação.
  4. Uma experiência de trabalho sem desafios, leva-nos a perceber que podemos fazer mais para desenvolver nossas habilidades.
  5. Uma das primeiras dificuldades que enfrentou foi a fata de informação clara sobre os procedimentos legais para iniciar um negócio.
  6. O acesso ao financiamento bancário também foi um desafio no percurso empreendedor.
  7. As dificuldades e a superação fazem parte do crescimento da empresa.
  8. Saber ouvir e entender o cliente é importante para o negócio. Isso significa perceber as necessidades do cliente e oferecer diferentes soluções.
  9. O negócio deve estar sempre a frente do tempo e inovar.
  10. As circunstâncias inspiram mais do que as pessoas. E ter novas experiências no dia a dia permite isso.
  11. A comunicação clara sobre os objectivos e valores da empresa e descrição de tarefas facilita o trabalho em equipa.
  12. Promover o desenvolvimento dos funcionários e desafios motiva a equipa.
  13. Não ter dinheiro não é motivo para não começar um negócio.
  14. Actualmente há muitas iniciativas para empreendedores.
  15. O empreendedor não precisa sair da faculdade ou largar o emprego para começar um negócio. O empreendedor pode inovar dentro da empresa.
  16. E importante desenvolver a habilidade criativa nas crianças. Quando as crianças desenvolvem a criatividade, quando elas crescem tornam-se mais capazes para empreender.
  17. A concorrência é boa, e quando fazes um bom serviço tens destaque no mercado.
  18. No nosso país existem muitas oportunidades para empreender.
  19. O empreendedor actua de dentro para fora e não ao contrário. A persistência leva ao sucesso.

(Aí vem a minha preferida)

  1. Quando quiser empreender faz a seguinte pergunta: Por que ainda não empreendo? E avalia os motivos. E depois vá, avança.

Quando vemos uma mulher da nossa idade (e colega de escola) que ultrapassou a barreira dos primeiros cinco anos árduos de um negócio e que partilha a sua história, só há espaço parar pensar que estamos no caminho certo. O que significaram essas 20 frases para si? Vamos empreender?

Evento: How to raise Money for your startup

Imagem: Divulgação

A falta de dinheiro é um dos principais motivos (desculpas) para adiarmos o nosso sonho de empreender. O capital é importante para a criação ou crescimento de negócios, sim, mas ainda temos dificuldade de avaliar quanto dinheiro precisamos, qual é a finalidade específica do montante, como vamos devolver, entre outras questões importantes. Por isso, a palestra How to raise Money for your startup (Como conseguir dinheiro para a sua startup – tradução livre) com Eric Osiakwan managing partner da Chanzo Capital, foi um evento concorrido para empreendedores. A apresentação era em inglês e teve lugar no Orange Corners, no dia 02 de Agosto de 2018, das 17h as 19h. O evento foi organizado pela Idealab, Chanzo Capital e Angels of Africa.

Algumas lições que tive na palestra “How to raise Money for your startup

  1. Conseguir dinheiro para o seu negócio é uma arte de construir laços e confiança. Conseguimos dinheiro de alguém que nos conhece e confia em nós.
  2. Construir laços leva tempo e requer investimentos.
  3. A melhor altura de procurar dinheiro é quando não precisa dele.
  4. Escolha o tipo de investidor que precisa para o seu negócio, senão pode receber dinheiro de uma empresa errada.
  5. Não leve dinheiro de alguém porque está a oferecer ajuda ou pode ter acesso facilmente. As vezes, muito dinheiro pode distrair o empreendedor e começar a efectuar despesas sem disciplina. Por isso não leve mais dinheiro para além do que precisa.
  6. Os investidores avaliam startups através dos seguintes critérios: Produto único, rentabilidade do mercado e qualidade de execução da equipa.
  7. Existem diferentes tipos de investidores: Investidores anjo, família amigos e parvos, capital de risco (venture capital), capital de crescimento (growth capitl), capital de investimento (private equity), mercados de capitais (capital markets). Analisar a fase do seu negócio que corresponde ao tipo de investidor, tendo em conta que cada tipo de investidor tem os seus próprios critérios de avaliação e exigências.
  8. O capital inicial do seu negócio é para produzir o produto ou serviço e normalmente não tem retorno. Por isso evite pedir dinheiro nessa fase, peça dinheiro para custos operacionais do negócio.
  9. Prepare o seu contacto com investidores com a história da sua motivação para começar o negócio, documentos sobre o negócio e pesquisa sobre o investidor. Se não tiver a cultura de documentar o seu próprio dinheiro, como vai documentar o dinheiro do investidor?
  10. Dê seguimento e esteja muito engajada com o processo de investimento, seja flexível e útil.

Particularmente, fiquei muito enriquecida com a palestra, pois existe uma lista enorme de de fontes de financiamento. Mais uma vez foi destacado a importância dos eventos de networking como oportunidade para iniciar ou fortalecer laços com poteciais investidores.

E para finalizar, partilho a minha frase favorita do evento:

Se pedires aconselhamento, recebes dinheiro. Se pedires dinheiro, recebes aconselhamento.

 

 

 

Evento: IV Edição Startup Grind Maputo com Alfredo Cuanda

Imagem: Divulgação Facebook

No princípio da minha estadia em Lichinga, meados de 2011, teve episódio na fila do banco que foi uma das maiores lições de vida para mim. Sabe aquela história da caneta perdida na bolsa, todos esquecemos da caneta nos momentos que mais precisamos. Então o senhor prontamente cedeu-me uma das canetas que tinha no bolso. Eu agradeci e fiquei curiosa por ele estar com duas canetas no bolso. E ele explicou:

Sempre ando com duas canetas, alguém pode precisar de uma.

Vivemos cada vez num mundo mais egoísta, mas felizmente ainda existem pessoas que se preocupam em ajudar os outros e andam prevenidos. Recordei-me desta situação a poucos dias e comprometi-me a sair de casa com duas canetas. E foi assim que salvei o dia da Wilma no IV Edição  Startup Grind Maputo quando ela se sentou ao meu lado.

De volta ao tópido do texto, o evento que vou falar hoje é a IV Edição do Startup Grind Maputo com Alfredo Cuanda. Conheço o trabalho do Ideário (Primeiro Hub em Moçambique, que se dedica a aceleração de negócios) há quase dois anos e eu sabia que seria um aprendizado enorme para os participantes. E claro, eu também queria aumentar a minha rede de contactos (e consegui).

Algumas lições de Empreendedorismo que tive no IV Edição do Startup Grind Maputo

  1. Todos somos empreendededores, queremos sempre ajudar ou resolver problemas.
  2. O Empreendedorismo é um estilo de vida, a forma como lidamos em diferentes campos da vida.
  3. A revolta com a situação em que nos encontramos, pode levar a frustração, até mesmo depressão.
  4. Precisamos estar dispostos ou abertos a cometer erros. E não devemos ser crucificados quando cometemos os erros.
  5. Montar uma equipa é um grande desafio, precisamos aprender a lidar com os outros e encontrar algo que une a equipa.
  6. Não cometa o erro de começar o negócio sem pagar a si próprio. O empreendedor precisa de salário.
  7. É preciso ter uma relação íntima com o dinheiro, perceber o seu valor e o valor que vai gerar. O dinheiro é consequência do valor que criamos.
  8. Aprender a partilhar as suas ideias com os outros. O valor não está na ideia, mas sim na sua execução.
  9. Não perca a oportunidade de estabelecer conexões com as pessoas. É importante nutrir as relações e comunicar o que se pretende com elas.
  10. Antes de procurar financiamento: contabilize todos os seus gastos, analise a sua capacidade de retorno, tenha disciplina financeira e diminua o risco de investimento.

Quando parei escrever, pensei “só isso, ainda tem mais”. Acredite, tem muito mais lições que podem ser tirados de um evento de networking para empreendedores. Para além da entrevista, a sessão de perguntas e respostas foi enriquecedora. A boa notícia é que o evento foi gravado e com certeza o resumo da equipa organizadora, será melhor do que as minhas anotações. Mas eu não podia falhar com o meu compromisso de partilhar o que aprendi, ainda no espírito do senhor que anda com duas canetas.

Partilhe a experiência, alguém pode precisar.

10 Lições do Evento: Inovação e Propriedade Intelectual

Sabe qual é um dos maiores medos dos empreendedores? Ter a sua valiosa ideia “roubada”. As inscrições para concursos e feiras  não corresponde a quantidade de inovações produzidas em Moçambique. Já li testemunhos nas redes sociais de pessoas que dizem ter sido vítima de cópia das suas ideias. Imagino que isso seja terrível.

Esta dúvida sobre proteção de ideias levou-me a participar no Workshop sobre Inovação e Propriedade Intelectual no dia 27 de Abril deste ano. O evento organizado pelo Espaço de Inovação e IPI (Instituto de Propriedade Industrial) tinha por objectivo debater o papel da propriedade intelectual na protecção das soluções tecnológicas.

Imagem: Divulgação

O que fiquei a saber sobre Propriedade Intelectual?

  1. A actividade intelectual permite criar coisas em benefício próprio e dos outros.
  2. A propriedade intelectual em Moçambique é feita no IPI (Instituto de Propriedade Intelectual)
  3. O registro de propriedade intelectual pode ser nacional, regional (Aripo-Harare, Zimbabwe) e internacional (OMPI- Madrid, Espanha).
  4. Os requisitos para registro de propriedade intelectual são: novidade, actividade inventiva no estado técnico e com aplicação industrial (é possível fazer réplicas)
  5. Não é possível fazer registro de: teorias cientificas, sistemas planos regras e métodos de exercícios, projectos, programas, apresentação de informação, modos de tratamento cirurgico, terapeutico ou diagnostico aplicacavel ao corpo humano, conhecimentos tradicionais e variedades de plantas.
  6. Não é possível registrar softwares, a alternativa é efectuar registro de propriedade industrial de logotipo de produto ou serviço. Por exemplo: não é possivel registrar um software de cadastro de CV e anúncios de vagas, mas sim a marca emprego.co.mz
  7. O registro de propriedade intelectual tem prazo de validade. No caso de não renovação ou caducidade, qualquer pessoa passa a ter direito de uso comercial da inovação
  8. Para proteger a sua ideia deve transformar em: obra literária, música, fotografia, coreografia, filme, pintura e mais de categorias afins.
  9. O registro de entidade comercial no BAU (Balcão único) não é a mesma coisa que registro de marca ou registro de domínio.
  10. O registro de propriedade intelectual e industrial em Moçambique custa menos que 5.000,00mt

 

A qualidade das minhas anotações precisa melhorar, mas espero ter partilhado informações úteis para quem queria participar no evento, mas não teve oportunidade.

Em tom de brincadeira com um dos participantes, eu disse que poderiamos criar um serviço de participação em workshops, com direito a resumos detalhados, fotos e troca de cartões de visitas. Seria interessante, não é?