featured pic 9 8

Artesanato: Hobbie de infância transformado em negócio

Hoje em dia, a maioria das meninas nas faixas dos 30- 40 anos, têm nas memórias da infâncias a costura de bonecas de pano. Retalhos de panos de diferentes padrões, agulhas, linhas e a imaginação infantil era a receita perfeita para bonecas magras, gordas, pequenas ou grandes. E de seguida, abriam espaço para criação de personagens, estórias e bricandeiras que duravam longos dias.

A minha infância também foi assim, costurei imensas bonecas de panos e não imaginava que aquela brincadeira poderia evoluir para a prática de artesanato. A partir dos 12 anos já dava os primeiros passos a fazer bordados ponto cruz, graças ao ensinamento de uma querida vizinha. Anos mais tarde, consegui partilhar as técnicas com os meus irmãos e fazia alguns artigos por encomenda.

Um dos momentos mais marcantes dos tempos que me dedicava ao ponto cruz, foi quando fiz capas para almofadas para o programa Belas Manhãs da TV Miramar. Naquela altura fazia artigos com frequência e tinha no portifolio quadros, almofadas, toalhas e babetes. No entanto, novamente veio aquela fase de colocar de lado as actividades que gostamos.

O aprendizado que retiro dessa relação com o artesanato e que quero partilha consigo é:

Quando queremos empreender, ficamos cegas a procurar da ideia de negócio ideal e acabamos nos esquecendo de algo que está mesmo no nosso corpo: as nossas mãos. Dedique algum tempo para cuidar e olhar para as tuas mãos e se recordar das coisas que fazias com elas na infância. Seja cozinhar, limpar a casa, amarrar a corda, menos bater nos amiguinhos. Daí aprende a transformar esse hobbie em negócio.

Faz algum tempo que venho preparando o meu retorno aos bordados ponto cruz, fui avaliando os desafios (falta de material na cidade, a fraca de popularidade do ponto cruz e tempo) e uma conversa com uma jovem empreendedora que foi oradora no Lioness Breakfast levou-me a essa reflexão.

Empreendedoras que actuam em Moçambique, não devem se limitar a uma área de actuação, pois o mercado é muito concorrido e instalável. Se conseguirmos fazer mais coisas e preservar a qualidade de entrega ao cliente, avançamos para buscar novos produtos e serviços.

Por isso, procurei o material que tem disponível para bordados, escolhi o artigo que iria bordar e testei o tempo de produção de cada modelo. Está semana comecei a promover esta primeira colecção de quadros decorativos em Ponto Cruz.

Então, chega de limitar o seu potencial, busque fazer coisas que gostas e faça dinheiro com isso. Vamos empreender?

Como preencher o canvas parte VIII: Parceiros-Chave

A fase inicial de um negócio tem muitos desafios. Nem sempre há capacidade financeira suficiente para adquirir todos os recursos necessários para o negócio funcionar. Dependendo do tipo de negócio, equipamentos de qualidade, mão-de-obra qualificada, meios circulantes, são considerados investimentos de luxo para empreendedoras iniciantes. E daí, como ultrapassar essa barreira?

No modelo de negócios canvas, a ferramenta de estruturação de negócios que venho abordando aqui no blog, tem um bloco específico que ajuda-nos a identificar organizações, empresas e outros parceiros de apoio que facilitam o funcionamento do negócio. O oitavo bloco do canvas é parceiros-chaves.

Se está a acompanhar esta série de textos sobre o modelo de negócios Canvas, pode rever os blocos anteriores no link abaixo.

  1. Proposta de Valor
  2. Segmento de Clientes
  3. Canais
  4. Relações com Clientes
  5. Fontes de Receitas
  6. Recursos-chave
  7. Actividades-chave

A rede de parceiros de negócios não serve apenas para quem tem pouco capital inicial. É verdade que essa estratégia reduz custos ao adquirir recursos ou actividades específica de graça ou com descontos, mas ela também é responsável pela optimização dos processos do funcionamento do negócio e redução do risco de incerteza.

Quando nos dedicamos ao campo de parceiros-chave no modelo de negócios canvas, incluímos empresas ou particulares que actuam tanto na produção, como entrega e distribuição da proposta de valor. Se cada empreendedora dedica mais tempo a principal actividade do negócio, pode confiar outras actividades aos parceiros-chave e consequentemente terá melhores resultados no negócio.

Existe algumas perguntas importantes para preencher o bloco de parceiros-chaves. Tente responder as seguintes questões:

– Quem são os nossos parceiros-chave?

– Quem são os nossos fornecedores-chave?

– Que recurso-chave a empresa consegue obter através dos parceiros-chave?

– Que actividades-chave os parceiros-chave exercem?

 

Estamos a caminho do primeiro aniversário do blog e este texto reflecte muito a essência deste meu projecto. Quantas mulheres desejam começar um negócio, mas não o fazem porque sentem que precisam de uma equipa? A alternativa para as empreendedoras à solo é essa, buscar parcerias para tornar o seu negócio realidade ou expandir um negócio existente.

Quem caminha sozinha pode até chegar mais rápido, mas quem caminha acompanhado , com certeza vai mais longe.

Clarisse Lispector

Se precisa de recomendações de parceiros e fornecedores para o seu negócio, envie um e-mail para ola@empreendedorasolo.com e vai se surpreender com as opções locais e internacionais que temos para si. Vamos empreender?

Como preencher o Canvas parte V- Fontes de Receitas

Hoje vamos continuar a explorar o Canvas, um dos modelos de estruturação de negócios mais populares actualmente. Já passam quase três anos que aprendi e utilizo a ferramenta para visualizer as minhas ideias de negócios e cada vez que pratico, entendo melhor e por isso comecei a secção canvas aqui no Blog.

Hoje vamos tratar do 5° bloco: fontes de receitas. Esta é uma das principais partes do modelo canvas, pois um dos indicadores de sustentabilidade do negócio é quantidade de dinheiro que entra na caixa da empreendedor.

No princípio do negócio, é preciso ter descrever as formas que a empresa vai utilizar para gerar receitas. É mais fácil atribuir tipos de receitas a cada seguimento do Mercado. Podemos ver o exemplo da empresas de telefonia móvel, elas definiram pagamento pré pago para particulares e facturação mensal para empresas.

Algumas perguntas a considerer no bloco de fontes de receitas são:

  • Por que valor o segmento de clientes está disposto a pagar?
  • Por que eles pagam actualmente?
  • Qual é a contribuição de cada fonte de receita para a receita total?

É importante visualizar as fontes de receitas com foco no segmento de clientes, mas também incluir o seu comportamento perante a concorrência. Imagine uma doceira recente no mercado, que definiu oferecer bolos de aniversários para clientes intolerantes a lactose. Ela sabe que os clientes estão dispostos a pagar por um bolo adequado a sua saúde, mas o preço que for estipulado deve corresponder com a concorrência. Se for mais caro, tem que ser capaz de transmitir aos clientes o valor ou diferencial do produto.

Dependendo de cada negócio, existem diferentes formas de gerar receitas. As mais conhecidas são:

  • Venda directa;
  • Taxa por utilização: dinheiro ganho por utilização de um serviço específico. Por ex: Correios;
  • Taxas de subscrição: fonte de receita proveniente de acesso contínuo a um serviço. Por ex: DSTV;
  • Licenciamento: receita proveniente da cobrança por utilização de uma propriedade intelectual. Por ex: Transmissão de novelas da Globo por outros canais como STV
  • Comissão: receita proveniente de intermediação de serviços entre duas partes interessadas. Ex: correctores de seguros.
  • Publicidade: receita proviniente da cobrança de taxas para divulgar o produto/serviço. Por ex: TVM, STV, etc

O canvas é modelo de negócios fléxivel, permite que o empreendedor faça o esboço de como vai gerar receitas, e que mais tarde pode ser ajustado de acordo com os resultados dos testes.

Se nunca tinha ouvido falar do canvas, esta secção do blog é dedicada a partilha de noções gerais sobre o assunto. Se achou achou interessante, pesquise mais sobre o assunto, também pode participar nas capacitações que inclui o tema. Um dos cursos de empreendedorismo que fiz através do programa YALI adoptam o modelo canvas. Recentemente vi que a formula milionária contém o canvas nos temas do curso. Não deixe de comentar a sua experiência com este modelo de negócios.

Vamos empreender?

Emprego ou negócio? O dilema actual das empreendedoras

Não faz muito tempo que estava numa sala cheia de mulheres, onde facilmente fluiam os desafios do empreendedorismo feminino. Cá entre nós, o salário certinho no final do mês é bom, há prestígio e confiança em mulheres empregadas, desde à vendedora de tomate na esquina de casa ao gestor de clientes do banco. Nunca sentiu o mundo aos seus pés por exibir um cartão de identificação com o logótipo de uma empresa alheia?

Filosofias a parte, imagine que estou mesmo em frente aos teus olhos e responde:

Estás pronta para deixar o teu emprego e lutar pelo teu sonho do negócio próprio?

Se gagajares, talvez ainda não estejas pronta.

Mas, esquece essa pergunta (por enquanto), eu estou aqui para simplificar a tua vida e dê uma vista de olhos nas minhas dicas sobre o tema emprego vs negócio.

  1. NUNCA, NUNCAS, MAIS NUNCA MESMO deixe o teu emprego para começar um negócio. O começar está sublinhado de próposito, nesta fase do negócio vai testar a tua ideia, captar os primeiros clientes e pode ter pouca receita e até mesmo não ter nenhuma receita. Mesmo que tenha reserva financeira para os primeiros meses do negócio, dê um espaço para viver o sonho como possibilidade de parar se não tiver a satisfação que esperava antes de iniciar o negócio.
  2. Dedique parte dos fins de semana, férias ou licenças programadas para criar os produtos e vender online nos dias em que está no trabalho.
  3. Tenha muita atenção com o regulamento interno da empresa onde trabalha, algumas empresas promovem empreendedorismo entre os colaboradores, outras não e até penalizam pequenos negócios no local de trabalho. A atenção também inclui o relacionamento com os colegas de trabalho, que tanto podem ser os seus primeiros clientes como os promotores da queda do seu negócio.
  4. Os números falam, faça o registro de todas as despesas e receitas do seu negócio. E quanto ao investimento, uma das vantagens de ter um emprego é que pode solicitar um emprestimo pessoal para iniciar o negócio.
  5. Por último, e não menos importante, o NUNCA que mencionei no primeiro ponto é apenas para o início do negócio, a vida dupla empregada empreendedora é desgastante e tem dias contados quando se pretende passar o negócio para o próximo nível : CRESCIMENTO.

Na minha memória, mulheres que tem emprego e tem negócio próprio , os seus negócios não escalam e estão a saltar de um negócio para outro. Ontem eram revendedoras Avon, hoje vendem cabelos e vamos aguardar para o seu futuro negócio. Eu estou em busca de novas  histórias, mulheres jovens que tiveram um emprego, depois embarcaram no empreendedorismo e encontraram o momento certo para escolher um só caminho. Pode partilhar comigo?

 

1º Quinzena de Outubro| Links interessantes

Olha só quem está a cumprir uma promessa (rss). Este é o primeiro post da nova categoria do blog dedicada a partilha de links interessantes. Desde vídeos do youtube a textos da blogosfera nacional e internacional. Como já diz o velho ditado, gostos não se discutem. É só conferir as sugestões que se seguem e curtir.

  1. Filme: Burlesque

Burlesque (2010) é drama estrelado por Cher e Christina Aguilera que conta a história de uma jovem provinciana com uma voz poderosa que muda-se para a grande cidade Los Angeles em busca do seu sonho.

A minha cena preferida foi quando Ali pede a Tess uma oportunidade para fazer parte do grupo de dançarinas do Clube e diz algo parecido com o seguinte: “Diz-me o que queres que eu faça e eu mostro o que sou capaz.”

A resposta de Tess foi surpreendente e acho que todas devemos memorizar: “ Não precisas de pedir a mim ou a ninguém. Mostra que o teu lugar é aqui e que ninguém o pode tirar de ti.”

Esta é a mais pura verdade, nós não precisamos de permissão para mostrar o quão somos boas no que fazemos. Tenha confiança no valor do seu negócio para o mercado e mostre que você nasceu para empreender.

2. Blogosfera: My tips for 11 year old boys and girls! Em Good Living Theory

Como sabem, eu amo partilha de experiências  empreendedoras. Por isso sou frequentadora da Incubadora do Standard Bank em Maputo, seja para participar num evento ou utilizar o espaço para network. Numa manhã de Setembro, conheci a Ânia e por coincidência ela também tem um blog. Fiquei super feliz de conhecer uma blogueira moçambicana, trocamos os nossos blogs e eu comecei a acompanhar a Teoria da Boa Vida.

Eu amei ler “My tips for 11 years old boys and girls!” (Minhas dicas para rapazes e meninas de 12 anos). Acho que a Ânia foi bem assertiva nas dicas, que na verdade valem para qualquer idade, não somente para adolescentes. Cuidar da pele, valorizar os pais, não deixar comida no prato e todos outros ensinamentos que ela apresenta devem ser colocados em prática desde cedo. Quem sabe essa é a teoria da boa vida.

  1. Youtube: Mulher e a sua independência Parte 2 canal Eh Bonito

Youtube é um espaço de aprendizado, diversão e motivação sem igual. Eh bonito é um canal da empreendedora moçambicana Daisy Gonçalves que eu com certeza recomendo. Tanto no blog, como no canal podemos encontrar dicas de beleza, moda e estilo de vida. O meu vídeo preferido até agora é “ Mulher e a sua independência parte 2” que exibe uma conversa com 4 mulheres empreendedoras (e não só), são histórias inspiradoras que levam a reflectir de sobre como podemos realizar os nossos sonhos, mesmo com os imensos desafios que temos na vida.

Como a Dita bem disse: Temos que arriscar. Se correr bem melhor, se correr mal foi uma experiência.

 

  1. Blogosfera: Seja o arquitecto da sua Vida escrito por Marta Mulungo

Em Agosto tive oportunidade de conhecer pessoalmente uma mulher que já admirava a vários anos, a Psicóloga e Coach Marta Mulungo. A sua empresa MM Coaching ajuda pessoas a alcançar os resultados através de sessões de coaching, workshops e formações. Na minha jornada de autoconhecimento, tenho lido muito sobre desenvolvimento pessoal e o texto da Marta “Seja o arquitecto da sa Vida” dá uma visão clara das mudanças que podemos fazer para ter controle sobre a nossa vida.

 

  1. Internacional: The Middle Finger Project

A vida de escritora não é um mar de rosas, as vezes dá um bloqueio criativo enorme, que nem sei como continuar um texto. Numa pesquisa recente conheci o The Middle Finger Project, um blog da irreverente CEO e escritora americana Ash Ambirge. O blog é completo para quem quer começar um negócio, tem textos sobre marketing, finanças e negócios. Eu até fiz subscrição para receber 25 dicas de negócios que foram super úteis.

A minha de links fica por aqui. Não esquece de enviar links interessantes para o e-mail ola@empreendedorasolo.com . Vamos empreender?